Sempre fui de extremos. E sempre fui mal interpretada por manter esse segredo.

Pois bem, é aqui que começo uma história de “amor e comédia” em mais um capítulo da série de posts #ladoB: Crossfit & Jazz, delicadamente forte porque sim. (“Cross o quê, Deus? Ahh tá, aquele esporte do Lucas Lucco. Crossfitness, né? Voilà! Jazz eu sei, fiz quando tinha 5 anos na escola”.) Espero que se divirta tanto quanto eu quando escrevi este post!

Descobri que gostar de extremos não é algo tão ruim assim. Descobri também que ser zen e conseguir relaxar, rapidamente, junto com a turma da aula de yoga, não é para todo mundo e que não há mal nenhum nisso. Quando comecei minhas buscas pela atividade física perfeita, passei por vários caminhos e tentei me inserir em diferentes núcleos (e formas de raciocínio, inclusive). Aprendi coisas bem legais e entre as “mais legais” estavam a certeza de que eu continuava me sentindo um peixe fora d’água, pois existia uma cobrança interna para que eu me encaixasse em uma atividade “calma e tranquila”…

“Continua sendo ‘das artes’ e segura a onda fazendo uma dieta, afinal, looks fitness não te vestirão, migs.” Tipo isso. Tenso.

Por isso, lá vai: dentro de mim tudo acontece rápido demais – mil pensamentos, trilhões deles. Uma mente ansiosa driblada com florais desde menina. Em meus sonhos, toda santa noite me vejo em batalhas e missões de salvamento da humanidade (entendedores interpretarão! Aproveita e me explica o que significa, please! rs). Tem também a bravura atrevida da menina-forte. Aquela que brincava de lutinha, queda de braço e se considerava tão valente quanto qualquer outra pessoa. Louquinha ela.

Foi assim que descobri o único modo de continuar driblando o turbilhão de acontecimentos que “dão show” dentro de mim todos os dias: me colocando em condição de movimento exaustivo. Desafio de gravidade e quebra de medos. Algo que me sacudisse, completa e definitivamente. Então, o tal do Crossfit entrou na minha vida 3 anos atrás e ganhou todo o meu coração. Mudou minha rotina, minha cabeça, meus pensamentos. Colocou ordem na casa, trouxe a PAZ para todos os meus finais de dia. Me fez ZEN. O meu tipo de modo zen.
E não fez isso só comigo, não! Mas com todos os meus amigos e alunos do box. Mudou vidas, pode acreditar!

* eu no meu amado Box Lab 360 – em Varginha (MG) – foto Raval Filmes

“Menina, mas me conta, e esse tal de Crossfit? Você toda delicadinha pegando aqueles pesos!” Olha o bullying, amores. Ou melhor, você tem 5 minutos? Toda delicadinha quem? Pesos quais? É de costume perguntarem para uma bailarina o quão casca grossa elas são por aguentarem dançar como anjos, com os pés machucados e dores musculares devido aos ensaios exaustivos? Sempre fui de extremos por eles me encherem os olhos – admiro seus detalhes, observo-os sa-bo-ro-sa-men-te. Todo lado A, tem um lado B. Podemos ser MUITAS em uma só! Surpreendentemente diversas. Infinitas. Delicadamente fortes, porque sim.

* fotos de um dia de treino durante as gravações do meu mini doc, com Raval Filmes. <3

* o Thales, meu companheiro de vida e de treino de todo santo dia <3

E, por falar em ballet, resolvi me aventurar nas aulas de Jazz, desde abril de 2017, para equilibrar a balança e manter o meu crush pelos extremos: foi um casamento perfeito. Dançar despertou aquela espontaneidade adormecida em que “mexer o esqueleto” não é apenas coisa de fazer na baladinha e nos aniversários de família quando soltam um “É o Tchan na Selva”. E maaaais, me fez até acreditar que ainda dá tempo de ser bailarina no auge dos meus 27 anos! Consegui me apresentar em um palco e tudo, e por duas vezes já, meus caros. Eis aí: tenho o “problema” de sonhar demais em todos os departamentos da vida. (Talvez, por isso não sossego nem dormindo. Alguém me ajuda a matar essa charada hein! :B)

“Dança combina mais com moças delicadas! Não machuca, não lesiona, é amor puro.” Você não vê meus joelhos. E cuidado com as onças delicadas, mundo. (HAHAHA eu escrevi esse post rindo, juro!)

* euzinha tentando calçar as sapatilhas com “classe” seguindo as dicas da Tia Lidi na escola de dança Elaine Nascimento – foto Raval Filmes

* nosso empenho em aprender a “fazer uma barra” bonita! Uma das coisas mais difíceis que já me aventurei, acredite se quiser – foto Raval Filmes

Danço às terças e quintas durante uma hora da minha tarde e vou te contar: o mundo para. Meus pensamentos cessam. Eu e minhas companheiras-bailarinas saltitamos felizes como se a vida acabasse em Jazz e nos desafiamos a evoluir cada vez mais. Treino meu Crossfit de segunda à sábado, todas as noites. Se os meus dias não terminarem no Box Lab 360, descabelada, destruída e feliz, faltou alguma coisa… (a não ser que eu esteja viajando, só para pontuar meu “radicalismo”). Minha mente encontra o equilíbrio, meu trabalho flui como água, não falta inspiração, humor tinindo e corpo são para a maratona que é empreender um sonho. E a saúde agradece por colocá-la no mesmo nível de importância que todo o resto.

Apostar nos extremos me leva ao equilíbrio. Aquele que me completou e transformou. O equilíbrio que me movimenta e me alimenta, todos os dias. Que me mantém viva, ativa e plenamente feliz! Sempre fui dos extremos e já que hoje não é mais segredo, convido você a experimentá-lo também. Movimente seu corpo e lembre-se, SEMPRE, que ele é a casinha para passearmos pela jornada divina e mágica chamada VIDA.

No mini doc compartilhei a história do meu trabalho e o lado B que tanto me completa! Vem cá assistir. <3

P.S: Coach Lucas Endrigo e Tia Lidi, obrigada por me fazerem me sentir Zeeeeeen. Que venham muitos wods, treinos pesados, saltos e piruetas. <3

Fotos Raval Filmes no Box Lab 360 e Elaine Nascimento Aerofitness Dancefloor.

 

Por Amanda Mol.

–   –   –   –   –   –   –   –   –   –   –   –

Conheça as Ilustrações, Produtos e Oficinas de pertinho:

loja.amandamol.com.br

cursos.amandamol.com.br – Como leitor do Blog você tem cupom de desconto exclusivo nas Oficinas! Utilize: #blogAM e desfrute de 10% de desconto em sua inscrição!

instagram.com/molamanda – @molamanda

Assine a NEWS aqui embaixo e receba conversas semanais, com novidades e lançamentos quentinhos! Enviamos 1 mensagem por semana com muito carinho. Não somos spam, prometemos! ♡

Quem escreve?

Amanda Mol

Amanda acredita na beleza das coisas simples e no poder da nossa intuição!
Aquarelar, escrever e criar produtos inspiradores é a sua forma de expressar amor.

 @molamanda

Stéfany Freu

Imensa por natureza e entusiasta da comunicação sensível, Stéfany é obcecada por contar histórias, conhecer pessoas, explorar o mundo e descobrir autoestima em tudo que cabe.

 @sejaimensa

os mais lidos

lançamentos

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe este item!

Gostou disso? Espalhe para seus amigos! <3