O lado B. Sim, ele existe!

O lado B. Sim, ele existe!

Tudo na vida tem um lado B. E por que empreender não teria? Trabalhar com o que tanto amamos parece um mar de rosas, um filme de romance com final…

Tudo na vida tem um lado B. E por que empreender não teria? Trabalhar com o que tanto amamos parece um mar de rosas, um filme de romance com final feliz, uma primavera perfeitamente florida, um verdadeiro conto de fadas? Pois bem, vou te contar que não é bem assim.

Eis aqui um #PostProibidão da minha série de postagens sobre empreender o meu sonho! Um depoimento real e espontâneo das “páginas negras” que nunca antes escrevi ou tampouco postei. (suspense! hahaha)

Brincadeiras a parte, resolvi escrever sobre algo tão real quanto as coisas boas e positivas de empreender. Com vocês, o lado B de ser uma sonhadora-empreendedora-ilustradora de todo coração:

1. Vários amigos e familiares não acreditam que eu trabalho. Yes, podem apostar! As vezes me pego imaginando o que essas pessoas pensam que eu faço durante toda semana…e aí me vem cenas do tipo: Amanda escorregando em um arco-íris, cavalgando em unicórnios, jogando dama com a Rainha de Copas e finalizando o dia em um Chá das Cinco, degustando cogumelos ao lado do Chapeleiro Maluco. Já enfrentei situações ímpares e embaraçosas para explicar o meu trabalho e tentar arrancar um ar de credibilidade do rosto da criatura que estava diante de mim. Durante alguns anos desejei provar para muitas pessoas o quão sério e promissor era o meu ofício e que o atelier é uma empresa de verdade, com equipe e tudo, gente assalariada, horários, metas e muuuito trabalho. Mas percebi que nem assim, viu? Aí, sabe o que eu fiz? Relaxei. Me acostumei com a ideia de escorregar em um arco-íris. Sabe que cavalgar em um unicórnio é incrível mesmo?

2. Sobre não acreditarem que eu trabalho parte dois. Eu não trabalho, né? Mas aí quando tiro várias férias ao longo do ano, descanso aos finais de semana, treino diariamente meu Crossfit MARA e mantenho uma rotina customizada e flexível, ouço vozes: “humm, tá podendo hein? Que vidão! Muito bom trabalhar com internet, né? Tudo mais fácil!” E aí eu logo aviso: “óóó, não pode ter medo de andar de unicórnio, heeeein! Prepare-se para uma aventura no arco-íris onde tudo acontece como num passe de mágica e a gente não precisa trabalhar para fazer acontecer. Yupiiii”. É gente…tem coisas que realmente não dá para explicar, a não ser que a pessoa esteja realmente interessada em saber mais. Em geral, não é o caso. Então, sorrio, aceno e me divirto.

3. Tem dias que estou sem inspiração e improdutiva. Ou você acha que eu acordo incrivelmente inspirada e “pronta  pro combate” every single day? Tsc,Tsc. Aliás, quem me dera. Então, nesses dias, nos quais a melhor versão de mim não está em mim (talvez esteja meditando, é como gosto de imaginar!), eu escolho fazer tarefas que não exigem dessa “minha persona”. É como se dentro de mim existissem várias e para cada uma delas seleciono as tarefas ideais. Então, quando não estou inspirada e produtiva para criar, executo tarefas como: reposição de estoque, buscar encomendas em fornecedores, zerar a minha caixa de e-mails, organizar armários e setores do atelier, fazer chekclist de compras (envelope, embalagem, durex, papel e afins) ou pentear o cabelo rosa do meu unicórnio.

4. Também sinto medo até hoje. Somos seres humanos, e não máquinas. Temos sentimentos, angústias, aflições, inseguranças. E será sempre assim! Então, entendermos o medo como um sentimento aceitável é libertador. Quando estou diante de certas oportunidades ou decisões, eu também sinto medo – medo do novo, do incerto, de um possível fracasso, de uma exposição, de um crescimento não calculado, de uma decepção no trabalho, de me frustrar. E é isso. Como vou impedir que o meu coração e a minha intuição reajam diante de fatos da vida? Somos seres em construção e mutação, e isso é LINDO DEMAIS! Só tem uma regrinha simples, ó, vamos comigo, repita e decore: o medo não pode nos paralisar e impedir que realizemos o nosso sonho. (Mais uma vez, todos, em coro! Liiiindo.) Se a sua intuição está dizendo vá, meu amigo, siga nessa direção.

5. Já fui estressada e workaholic. Durante um bom tempo da minha caminhada empreendedora, comecei oficialmente aos 21 anos após me formar, eu achava que trabalhar excessivamente e incansavelmente TODOS os dias era o caminho certo. Achava também que final de semana era pra quem “podia”e no caso eu achava que eu não poderia. Não enquanto o meu sonho não estivesse “consistente-consolidado-tudolindo-cemporcento”. Só que eu ainda não sabia, pobre menina (haha), é que essa PERFEIÇÃO não existe. Eu também não contava que um dia o meu corpo e a minha mente cansariam. E esse dia chegou. Eu sofria de enxaquecas enormes, dormia muito tarde, comia mal, era sedentária e claro, fiquei estressada por conta do trabalho. A minha imagem de sucesso era a de pessoas atarefadas, sem tempo e que só pensavam em trabalho. Sim, acreditem! E eu me vi nesse papel e aprendi muito, sentindo na pele o que ele me provocou. Conclusão: me senti tão esgotada mentalmente que pensei ( e claro que ouvi muitos conselhos dos meus pais!) “se estou nesse “naipe” aos 22,23… imagina só no meu futuro?”. E então comecei a mudar a rota, buscar novos olhares para a vida, a mergulhar de cabeça no curso de empreendedorismo criativo (foi quando conheci o Decola!), minha grande salvação. Não foi fácil me reprogramar, mas viver o presente com felicidade e leveza viraram os mantras da minha vida. E consegui.

6. Meu processo de criar produto é tão simples que assusta. Oh yes. Muita gente pensa que processos criativos precisam ser longos e complexos. Aos meus olhos e dentro do meu universo de trabalho não é assim que a banda toca. O meu lema (e do atelier) é: SIMPLICIDADE. Se não está sendo fluido e simples é porque não é para ser! Isso mesmo, este é o meu guia. Então tudo o que crio, seja desenvolvendo do zero, pelas próprias mãos e da minha equipe no atelier, ou em parceria com o talento de um fornecedor, deve seguir etapas simples. Eu crio um produto em um dia, às vezes, em algumas horas. E muitas vezes ao criar tenho ideia de outro, já planejo em minha agenda super-poderosa e logo o próximo sai do forno também. Ao desenvolver ilustrações e produtos no atelier, estou, simultaneamente, em contato com fornecedores fazendo novas encomendas. Então estamos sempre recheados de próximas novidades que são colocadas em “fila”, aguardando o meu planejamento de compartilhá-las com o mundo! “Uau, Amanda, como você é mágica!”. Nem um pouco. Simplesmente só trabalho com o que flui com simplicidade, por isso, é tão abundante e dá tão certo. Além disso, todos os meus fornecedores são locais! Pessoas lindas, especiais e talentosas que a vida foi me apresentando aqui mesmo, em Varginha (MG). Amigos de amigos, colega do Crossfit, vizinhos de bairro. Eu acho que é nos momentos mais simples e descompromissados da vida, que grandes oportunidades nascem!

7. Minha cabeça não para nunca e sonho demais, acordada e dormindo. Sou doida, mesmo. Enfim. Não parece eu sei. Posso estar mais para Sandy (e a amo inclusive! haha). Mas a Sandy também é doida, pode apostar. Essa história de empreender um sonho, trabalhar com o que tanto amamos e ser donos do próprio negócio não é nada mole. Nada MESMO! “Matamos” um leão por dia, às vezes, três. Deus do céu, tem dias que a jaula está lotada! Sim, todos em seus empregos formais também fazem isso. Mas temos um lado B peculiar! A cabeça de um empreendedor-sonhador não para NUNCA. Ela pode dar uma desacelerada em férias e viagens, mas volta pra casa pra você ver o looping. Eu penso tanto, mas tanto, que tomando banho tenho várias ideias e faço checklists imaginários. E sonho dormindo todas as noites: sonhos de aventura. Sou uma guardiã das galáxias dormindo. Enfrento mares, fim do mundo e regressões. (Alguém vai querer interpretar esses símbolos, com certeza!) Mas eu já busquei interpretação pra tudo isso e quer saber? Tudo bem sonhar. Ou será que também devo planejar e agendar meus sonhos noturnos? Não somos perfeitos, não somos deuses. Somos humanos em constante evolução! E QUEREMOS evoluir. Essa é a minha busca diária, a sua também, estou certa? Resumindo esse parágrafo, well: desfrute da liberdade de ser quem você é! Lutar por um sonho tem seus ganhos e um preço que também pagamos. Tudo tem o lado A e o lado B. Mas, posso te falar? Eu não trocaria POR NADA DESSA VIDA não ter apostado as fichas em mim mesma. NADA.

Se você escorrega em arco-íris, anda em unicórnios de cabelo rosa ou come cogumelos no Chá da Alice, seja bem-vindo ao clube. #TAMOJUNTO Sonhador!

Eu e meu amor-sonhador-também-empreendedor e ex-aluno do Decola! O sonho que o Thales decolou foi este aqui ó! Muitos também não acreditam que ele trabalha, c’est la vie. (hahaha)

foto Raval Filmes